Pesquisadora do FoRC vence Prêmio Capes de Teses com estudo sobre ação anticancerígena das fibras do mamão papaia

O trabalho relacionou o amadurecimento da fruta com o aumento do efeito benéfico de suas fibras. Propriedades do mamão maduro ajudaram a inibir lesões pré-neoplásicas no cólon em ratos.

A nutricionista Samira Bernardino Ramos do Prado, pesquisadora do Centro de Pesquisa em Alimentos (Food Research Center – FoRC), foi a vencedora na área de Ciência de Alimentos da última edição do Prêmio Capes de Teses, que selecionou as melhores teses de doutorado defendidas em 2019. Coordenado por João Paulo Fabi, pesquisador do FoRC e professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (FCF-USP), o estudo demonstrou que a pectina – um tipo de fibra solúvel – do mamão papaia maduro é capaz de inibir o surgimento de lesões pré-neoplásicas no intestino em ratos, que aparecem antes do desenvolvimento do câncer de cólon.

O grupo foi pioneiro ao relacionar o amadurecimento do mamão e as diferentes estruturas da pectina – que variam de acordo com o estágio de maturação da fruta – ao aumento dos benefícios de seu consumo. Nos testes, ratos com lesões pré-neoplásicas no intestino foram alimentados com a fibra do mamão verde e a fibra do mamão maduro. Um terceiro grupo de animais, que serviu como grupo controle, foi alimentado com celulose, uma fibra insolúvel que não é biologicamente ativa. Posteriormente, os pesquisadores contaram as lesões em cada grupo e verificaram que os ratos que consumiram a fibra do mamão maduro tinham menos lesões do que os outros.

A pesquisadora também demonstrou em ensaios in vitro com células humanas de câncer que as fibras do mamão maduro tiveram um melhor desempenho ao induzir a morte de células cancerígenas e inibir a sua proliferação e migração. Um dos alvos dessa etapa foi a galectina-3 – proteína produzida normalmente pelo organismo que, em alguns tipos de câncer, tem sua expressão aumentada. Ela é uma das responsáveis por aumentar a migração das células do tumor, tornando-o mais agressivo.

“Um fragmento dessa proteína é capaz de se ligar à fibra, que é um tipo de carboidrato. Se a galectina se liga à fibra, ela não se liga à célula cancerígena que ajudaria a migrar. Isso poderia amenizar o efeito mais invasivo do câncer”, explica Prado. Ao fazer esses testes com diferentes estruturas da pectina do mamão, o grupo conseguiu identificar algumas estruturas específicas que se ligam à galectina-3.

Progresso – A linha de pesquisa coordenada pelo professor João Paulo Fabi é fruto de um projeto que teve início em 2014, financiado pelo programa Jovens Pesquisadores da FAPESP e intitulado “Alterações biológicas das pectinas de mamão com possíveis benefícios à saúde humana”. Nos próximos passos, a equipe busca entender os mecanismos envolvidos na inibição das lesões em ratos.

De acordo com os resultados da tese de Samira Prado, os cientistas pretendem analisar duas hipóteses. A primeira é que a fermentação colônica das fibras pode variar dependendo de suas estruturas – no caso do mamão maduro, essa fermentação pode ser mais benéfica. “Estamos estudando os derivados dessa fermentação, como os ácidos graxos de cadeia curta, para tentar identificar diferenças entre os três grupos. Também vamos verificar a abundância das bactérias no intestino dos ratos”, afirma Fabi.

O outro caminho é verificar como as frações de fibras solúveis remanescentes da fermentação interagem com o tecido epitelial do intestino, possivelmente alterando a expressão de algumas proteínas relacionadas ao início e à progressão do câncer de cólon.

O Prêmio Capes de Teses é concedido anualmente desde 2006 para reconhecer os melhores trabalhos de doutorado defendidos em diversas áreas de conhecimento. Ainda não há data para a cerimônia de premiação que ocorrerá em Brasília – DF.

******************

ATENDIMENTO À IMPRENSA

Acadêmica Agência de Comunicação

Angela Trabbold

(11) 99912-8331 / angela@academica.jor.br