Aterosclerose: pesquisa abre nova frente para o diagnóstico precoce

Pesquisadores da USP e da Universidade de Umëa propõem uma nova abordagem de detecção, usando como marcadores os anticorpos que são produzidos pelo organismo para combater a doença.

 

Identificar a aterosclerose em seus estágios iniciais é um dos principais desafios clínicos para controlar a doença e evitar que ela possa terminar em infarto do miocárdio – uma das principais causas de morte no Brasil. Para isso, são necessários exames de imagem ou bioquímicos com maior sensibilidade e especificidade na avaliação do risco de um evento cardiovascular. Um avanço neste sentido foi obtido com uma pesquisa conduzida por pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Universidade de Umëa (Suécia). Eles propõem uma nova abordagem de detecção, usando como marcadores os anticorpos que são produzidos pelo organismo para combater algumas das toxinas liberadas durante a formação da aterosclerose.

A formação da aterosclerose ocorre quando placas de ateroma (gordura) se acumulam nas artérias, estreitando e enrijecendo os vasos sanguíneos, e até obstruindo-os. A responsável por este processo é a LDL (lipoproteína de baixa densidade), que uma vez oxidada libera os componentes que se acumulam nos vasos. “O sistema imune produz anticorpos que eliminam alguns destes componentes liberados pela LDL. Assim, quando mais placas de ateroma são formadas, mais LDL oxidada estará presente e mais anticorpos serão produzidos pelo organismo. Com a determinação dos níveis desses anticorpos, é possível usá-los como marcadores para a evolução da doença”, explica o professor Magnus Gidlund, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), que estuda o processo patológico da aterosclerose há mais de 25 anos.

Ele é um dos autores de um estudo, realizado com 1.500 pacientes, que mostra esta correlação. “Constatamos que, caso o indivíduo possua um baixo título (nível) desses anticorpos, a chance de sofrer um infarto nos próximos 10 anos aumenta em 10% a 15%. Se for fumante, esse percentual aumenta para 25%”, afirma Dr. Gidlund. O estudo, que acaba de ser submetido à publicação, foi feito em colaboração com um grupo de pesquisa do professor Stefan Nilson, da Universidade de Umëa (Suécia), e com pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública da USP, liderados pela professora Nágila Damasceno. O ICB foi responsável por desenvolver e testar, em estudos menores, toda a base intelectual da atual pesquisa.

Popularmente chamada de “colesterol ruim”, a LDL é, na verdade, uma partícula constituída de proteínas, lípides, e também uma molécula de álcool de cadeia longa. Sua função na corrente sanguínea é distribuir o colesterol no organismo. Vários fatores de risco cardiovascular, como a hipertensão e o fumo, geram radicais livres que atacam a partícula de LDL, degradando-a e transformando-a em uma partícula “vilã”, isto é, uma LDL oxidada ou modificada. Os componentes desse colesterol ruim podem provocar lesões nos vasos sanguíneos, mas o maior perigo é quando eles se acumulam em macrófagos (células de defesa) nas artérias, formando as placas.

Bom ou ruim? – Embora seja considerado “vilão”, o colesterol tem funções importantes no organismo: auxilia na formação das membranas das células e na produção de hormônios esteroides (estrógeno e testosterona). No entanto, pode ser perigoso quando sofre oxidação – e quanto maior o nível de LDL no organismo, maior a chance de isso acontecer. Dessa forma, a LDL sozinha não é responsável pelas lesões nas artérias, mas funciona como um “combustível” que pode contribuir para a progressão da aterosclerose.

Perspectivas – De acordo com o Dr. Henrique Fonseca, da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo e pesquisador colaborador do laboratório do professor Magnus Gidlund no ICB, a doença cardiovascular é multifatorial e ainda carece de marcadores mais específicos para prevenir as consequências da aterosclerose. “Os mecanismos imunológicos que estudamos visam aumentar a compreensão de seus processos, de maneira a elevar a detecção e predição da real chance de um indivíduo sofrer infarto ou AVC futuramente e, com isso, proporcionar a ele uma terapia otimizada”.

Os pesquisadores ressaltam que o trabalho do grupo com anticorpos no cenário de doenças cardiovasculares, além de possibilitar uma técnica mais barata e efetiva de diagnóstico da aterosclerose, também é promissor para o desenvolvimento de novas terapias para combater a doença, especialmente no que se refere a uma vacina para as doenças cardiovasculares.

 

*************

 

ATENDIMENTO À IMPRENSA
Acadêmica Agência de Comunicação
Assessoria de imprensa do Instituto de Ciências Biomédicas da USP
Aline Tavares – aline@academica.jor.br (11) 3091-0874
Angela Trabbold – angela@academica.jor.br / (11) 99912-8331 / 5081-5237 / 5549-1863