Executivo da SAAB fala para profissionais na área de automação

Lançado em maio, WASP deverá ter 11 anos de duração e pretende

formar 100 PhDs; programa convidará pesquisadores estrangeiros.

 

Mais de dez palestrantes, entre brasileiros e estrangeiros, estarão reunidos no 3º

Workshop Brasileiro-Sueco em Aeronáutica e Defesa, que acontece dia 12 de novembro

no parque Tecnológico de São José dos Campos. Organizado pelo Centro de Pesquisa e

Inovação Sueco Brasileiro (CISB), e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o

workshop conta com a participação dos governos sueco e brasileiro, além de

pesquisadores, representantes de universidades brasileiras e suecas, e de indústrias.

Um dos convidados do dia é Gunnar Holmberg, executivo da empresa sueca

SAAB, que vem ao Brasil falar sobre um programa de pesquisa e formação para

engenheiros e profissionais de tecnologia da informação iniciado em maio deste ano na

Suécia, que reúne universidades e indústrias: o WASP (Wallenberg Autonomous

Systems Program).

Trata-se de um programa focado na pesquisa básica, educação, formação e

recrutamento na área de desenvolvimento de software e sistemas autônomos.

Hospedado na Linköping University, o WASP está sendo executado em parceria com

outras três instituições de ensino superior: Chalmers University of Technology, Royal

Institute of Technology e Lund University. O investimento total é de 1,8 bilhão de

coroas suecas, (por volta de 450 milhões de reais) dos quais 1,3 bilhão estão sendo

fornecidos pela Fundação Knut e Alice Wallenberg e os 500 milhões restantes pelas

universidades e empresas privadas participantes do programa.

“O WASP também envolverá equipes de pesquisa em outras instituições de

ensino superior, e admitiremos pesquisadores de outros países mediante convite”

adianta o coordenador do WASP na SAAB, Gunnar Holmberg. Ele afirma que a partir

de 2016 o programa estará implementado e apto a receber pesquisadores estrangeiros.

“Os brasileiros são naturalmente muito interessantes como ampliação do intercâmbio

maior entre ambientes de pesquisa e inovação no âmbito da relação entre Brasil e

Suécia. Por isso, eventos como os workshops do CISB são muito importantes para que

consigamos identificar os pesquisadores certos. Mas estamos apenas no começo e

precisamos trabalhar para fazer essa troca acontecer.

Segundo Holmberg, os projetos iniciais incluem pesquisas nas áreas de sistemas

de transporte automático, nuvens autônomas, desenvolvimento de tecnologias e

metodologias de interação e comunicação com futuros sistemas inteligentes,

desenvolvimento de sistemas autônomos voltados para dados, localização e

dimensionamento em sistemas autônomos e interação e comunicação com agentes

“O WASP está programado para ter 11 anos de duração e um dos resultados

mais importantes é estabelecer novo patamar de pesquisadores e engenheiros na área de

automação” diz o executivo, lembrando que a meta é formar 100 PhDs durante esse

tempo. Ainda de acordo com Holmberg, o papel da indústria no programa é muito

“A indústria, além de prover pesquisadores em nível de PhD que atuam no

mercado, também contribuirá com situações do ‘mundo real’ para que estes

pesquisadores se debrucem sobre temas relevantes, ou seja: cenários reais para as

demonstrações e testes dos softwares desenvolvidos nas universidades” explica,

lembrando que a SAAB tem cinco pesquisadores em nível de PhD participando do WASP.